Move, Feira de Empreendedorismo, São Tomé e Príncipe, segunda edição 2019

Move grupo
Tempo de Leituta: 5 minutos

O Grupo move é uma ONG Portuguesa com representações em alguns países como, São Tomé e Príncipe e Timor Leste com objectivo de apoiar ideias inovadoras de pequenos negócios e dos empreendedores.

Tem como papel fundamental a orientação e aconselhamento em diversos aspectos inclusive na tomada de decisões.

A primeira feira em São Tomé e Príncipe teve o seu lugar na Casa Cacau, onde pode contar com as participações de vários participantes e convidados de vários quadrantes da sociedade santomense.

Hoje a Move apresenta a sua segunda edição da feira de empreendedorismo no nosso país, e conta com várias participações de novos empreendedores, bem como diferentes convidados e patrocinadores.

Este ano a feira teve seu lugar no Pavilhão Dona Alda do Espírito Santo no Liceu Nacional, a principal escola secundária do país na cidade de São Tomé.

Os patrocinadores da Move este ano

  • BISTP
  • Global Tec
  • Fábrica Diogo Vaz
  • Nai 

Patrocinadores que desde cedo abraçaram a causa da Move e apoiaram de modo a ser possível a realização da feira de empreendedorismo.

Este ano a Move contou com a participação de alguns startup santomense como é o caso da Moto Express, Mon Ni Telâ, Fábrica de Chocolate Diogo Vaz, Global Tec, Wake Up África, Gosto Alegre, Firma Efraim, Salutar, que passaremos a conhecer um pouco sobre algumas desta startup.

 

Moto Express

A Moto Express surgiu em Setembro de 2018 por iniciativa de um grupo de jovens que tiveram a ideia em fazer entregas de refeições ao domicílio para o povo santomense. Têm contactos com alguns restaurantes no distrito de Água Grande na cidade de São Tomé com quem trabalham nessa primeira fase do projecto.

A ideia surgiu por iniciativa de dois elementos do mesmo grupo, em introduzir algo de novo no país visto que era visível a necessidade desse serviço no seio da sociedade.

Moto Express
Robison e o companheiro, Moto Express

Então decidiram reforçar parcerias com alguns restaurante e com alguns motoqueiros, de forma a facilitar todo o processo e tornar o mesmo mais fácil e facultativo tanto para os clientes como para os restaurantes.

Inicialmente como qualquer outro negócio, tiveram que aprender a lidar com alguma falta de credibilidade no mercado, uma vez que não eram conhecidos, as pessoas tinham sempre um pé atrás, tudo culpa do desconhecimento da actividade.

Contudo foram lidando com as críticas, ganhando a confiança no mercado, sempre passando mensagem positiva e a máxima qualidade no serviço prestado aos seus clientes.

Diante dos altos e baixos a Moto Express tem como objectivo principal conquistar uma posição no mercado, reforçar e facilitar o seu mecanismo de trabalho e a sua equipa para que no futuro seja mais fácil atender os seus clientes e colaboradores.

Processo de Atendimento dos Clientes, Moto Express

Existe uma lista de menus disponível na página do Facebook do grupo, onde os clientes ao visitarem podem escolher o que desejam e fazerem seus pedidos mediante dos contactos também ali disponível para o efeito.

Todo o processo está organizado, um cliente ao ligar é informado consoante ao que deseja bem como o custo da entrega, de seguida o restaurante é notificado e é confeccionado o pedido do cliente.

Todo o processo de preparação desde o pedido até à entrega demora entre 15 á 30 minutos.

Esta é a segunda vez que a Moto Express participa na Move, feira de Empreendedorismo que de um modo geral consideram muito importante para a divulgação e orientação dos novos negócios.

 

Mon Ni Telâ 

Mon Ni Telâ é um grupo de artista santomense ligado a toda área artesanal e que operam em vários campos ,chegam a ser comparados como “os caças talentos”.

Em São Tomé e Príncipe por incrível que pareça não se valoriza em geral as obras de artes, sendo que algumas pessoas que as compram, voltam a desfazer das mesmas por diversos motivos que passa pelo desconhecimento dos artistas por detrás das obras.

Mon Ni TelâMon Ni Telâ

Por isso um dos objectivos do grupo Mon Ni Telâ de fazer com que cada artista seja reconhecido pelo seu trabalho e o seu talento.

O mesmo grupo tem em manga várias actividades como por exemplo a estampagem de T shirts, colaboram com organizações como a Horizonte Aberto, Rent a Car e outras, estando assim no mercado a cerca de 3 anos.

Eles tentam criar um futuro melhor para os artistas e os que fazem parte da organização, sendo que têm as portas abertas não só para os artistas experientes, bem como para todos aqueles interessados em aprender ou disposto a ajudar. Também ajudam os estudantes no processo de bolsas de estudo para o exterior.

 

Fábrica de Chocolate Diogo Vaz

Estiveram presentes representantes da Fábrica de Chocolate Diogo Vaz que também foram participantes da Move, Feira de Empreendedor.

Estando envolvidos na exploração da roça Diogo Vaz, cultivando, colhendo e transformando todo o cacau e os seus derivados a cerca de 5 anos, decidiram partir para a introdução do produto no mercado a cerca de 1 ano.

Fábrica de Chocolate Diogo VazChocolate Diogo Vaz

No processo de transformação usam sensivelmente duas marcas de cacau para a produção do chocolate, sendo uma delas o cacau amelonado, existente maioritariamente na ilha de São Tomé e a outra o cacau trinitário que diferencia por algumas variações de cores e tamanho.

Já na fábrica o cacau é seco e triturado,dando origem a uma pasta de manteiga de cacau que é depois adicionado o açúcar numa maquina, cozido passa por moldes adequados e é transformado no chocolate que conhecemos.

Todo o processo é feito em São Tomé, tendo chocolate doce de 65% de cacau tradicional amelonado, e o amargo com cerca de 82% do cacau trinitário recolhidos na roça.

A fábrica está situada na Avenida Marginal 12 de Julho, próximo da loja Vip Motors.

Numa perspectiva de dever cumprido a Move considera que o evento correu dentro do que já se esperava, e que o mais importante foi a realização da feira dentro da normalidade.

Agradecem os patrocinadores e os participantes que também deixaram notas positivas a toda a organização.

Quanto aos convidados consideram uma iniciativa de cariz muito importante e que não poderá ficar por aí.

“O que os membros do clube Move fazem é algo muito gratificante, gostei imenso desta feira, não fui a 1ª edição mas gostei de participar nesta.” Declarou a participante Suzy Oliveira Espírito Santo.

“Tive a honra de estar presente nas duas edições da feira Move, acho que a primeira feira teve mais  envolvência e colaboração em vários aspectos, mas vejo que estão a melhorar a cada dia e correu bem, que não parem por aqui” rematou o participante Paulo Jorge.