Conheça as Visões da Politica Pública da Juventude em São Tomé e Príncipe.

Politica pública da juventude é uma ferramenta de apoio para desenvolvimento de estratégias de acordo com as realidades juvenis em um determinado país.

Conheça as Visões das Politica Pública da Juventude em São Tomé e Príncipe.
Tempo de Leituta: 2 minutos

Visões da politica Pública da Juventude(PPJ),  a discussão desta temática é bem recente e é observado em torno de toda a nossa sociedade a necessidade da implementação de politicas públicas destinada e direccionadas para a  juventude no seu todo.

É preciso entender ainda que a politica pública enquanto um conjunto de acções são coordenadas com os Objectivos de no curto e ao longo prazo para a resolução dos problemas sociais vividos no seio da nossa sociedade actual onde 75% da população é a juventude.

Os Lideres Políticos devem articular um conjunto de acessórios necessários  para construção do futuro da juventude no país, tendo em conta da existência de um grande défice na juventude para ingressar no mercado de emprego.

Tendo em conta que estamos a falar do “futuro da nação”  orientado pelo ideal  que os jovens é a riqueza e o futuro de uma e qualquer nação em perspectiva da formação dos valores e atitudes das gerações futuras.

Mas, que as presentes gerações merecem uma atenção especial da necessidade que esta geração tem de articular os conceitos do Desenvolvimento, civilização e aprofundar no real sentido da Democracia, e jovens como cidadãos capazes de ser protagonistas da sua própria historia e protagonizando sonhos e realidades em tempo que vivemos com os diversos desafios do país.

Vivemos em tempo de distanciamento muita grande entre os políticos e a juventude,  onde a juventude é instrumentalizado para vender alma em jeito de bala para canhão ou para ser sujeito a teoria politica muitas das vezes sem aprofundamento para com as necessidades juvenis da actual sociedade.

A  CPLP accionou o ano 2019 como a ano da juventude accionado com as agendas das Nações Unidas do Desenvolvimento sustentável para 2030 que vem fortalecendo as iniciativas governamentais para a juventude com o intuito de emponderar,   formar e capacitar  os jovens em diversos sectores.

Do mesmo modo a Carta Africana da Juventude no seu “artigo 12”  defende o seguinte:

  • Todos os Estados perante a presente carta, devem implementar uma politica nacional global e coerente para a juventude de acordo com as suas realidades em determinado país.

Os jovens hoje em dia estão se tornando protagonista no cenário politico São-Tomense, como sucedeu nas outras épocas no dever ético com vários movimentos e organizações juvenis integrado no país.

Diante de tudo isso preenche o meu entender desde a independência em 1975, estamos a lutar para construirmos uma nação solida onde a voz e a virtude da juventude deve ser tomado em conta sem que haja descriminações política ou qualquer outro tipo de consequências para jovens activistas.

Se é que estamos a lutar em prol de uma sociedade coesa , inclusiva e participativa para a juventude temos que deixar de implantar uma politica pública sem a juventude, mas sim com a juventude.