A Nossa Gastronomia e os Diferentes Tipos de Pratos e Sabores

A Nossa Gastronomia e os Diferentes Tipos de Pratos e Sabores
Tempo de Leituta: 4 minutos

Em São Tomé e Príncipe a gastronomia não é só influenciada pelo passado histórico que contempla os nossos descobrimentos, mas também pela povoação, colonização e também pela situação geográfica do país e o seu clima predominante.

Durante a época colonial, no séc. XIII e XIX, tivemos influências de diferentes povos que trouxeram com eles as suas culturas e os seus hábitos alimentares e teve um grande impacto no modo como confeccionamos os alimentos em São Tomé e Príncipe. Dividida pela linha do equador e banhado pelo oceano atlântico, permite que os seus povos extraia do seu terreno fértil vários tipos de ingredientes e uma grande variedade de pescado que serve para os diferentes tipos de pratos nacionais.

Dispondo de vasta extensão marítima é natural que o peixe seja um elemento proeminente na cozinha santomense, visto que é um dos produtos mais abundante neste paraíso perdido no Golfo da Guiné e este factor fascina os turistas que são praticamente “obrigados” a degustar os pratos típicos deste pais. Por outro lado, a existência de terras férteis e vegetais em abundância conferem um sabor especial a culinária santomense.

A culinária é a arte de cozinhar, ou seja, confeccionar os alimentos e que foi evoluindo ao longo da história dos povos, tornou parte da cultura integrante de cada um dos povos, variando não só nos ingredientes, como também nas técnicas de cozinhar dos diferentes chefes e dos seus países.

Anteriormente cozinhar os alimentos para uma refeição em São Tomé e Príncipe era diferente, e o modo de preparação levava muita condimentação e muito mais tempo do que os dias de hoje, pois excessivamente usava-se muitos ingredientes que por sua vez exigia mais tempo para cozer, mas hoje em dia tudo tornou mais prática e rápido devido o novo estilo de vida corrido que a sociedade vem adoptando, sobretudo a falta de tempo condicionado pelo fraco poder económico por parte da população.

De uma forma geral, a cozinha santomense é rica e com elevado valor nutritivo em proteína animal e vegetal, a herança cultural santomense está patente na gastronomia, através de pratos com origens tão diversificado como a cachupa, calúlú, feijão moda da terra e outros.

Alguns dos pratos típicos em São Tomé e Príncipe

Ijogó, BláBlá, Izaquente, Molho Fogo, Azagoa, Fungi Maguita, Lússua, Calúlú, Kisaca, Feijão a moda da terra, entre outros.

Épocas em que se confeccionam mais os pratos típicos:

  • Festa do Bocado
  • Festas religiosas
  • Natal
  • Ano novo
  • Casamentos
  • Baptismo

No dia a dia da população santomense, opta pela confecção de pratos mais rápidos e económicos como  por exemplo, Banana cozida com molho de búzio do mar, Fruta pão com peixe grelhado, Matabala com molho de polvo, Fuba com molho de folha frescas entre outros pratos.

Caracterização e a identificação de alguns pratos Santomenses

O calúlú constitui uma refeição familiar, sendo também usado em festas religiosas, é também servido em casamentos e em cerimónias fúnebres. É localmente considerado uma iguaria rica adequada para ser oferecida a um estrangeiro.

Prato Calúlú

É um prato típico em Angola, S. Tomé e Príncipe, podendo ser confeccionado com peixe, carne,camarão e búzio do mar.

Os diversos tipos de peixes defumados e utilizados no calúlú, podem ser camarão, voador, fulu fulu, bonito, peixe andala, peixinho, búzio, maspombo. As carnes podem ser de galinha, de suíno, incluindo chispe e cabeça, ou de bovino. É consumido em todo o país.

Outros ingredientes que podemos encontrar no prato típico de São Tomé:

O tomate, o alho, os quiabos, a batata doce, o espinafre, a abobrinha, e o óleo de palma. Em Angola, o calúlú de peixe é preparado numa panela, na qual se intercalam camadas de peixe seco ou fresco, com demais ingredientes. É cozido em lume médio e servido com funge, e feijão cozido com óleo de palma.

Já o calúlú de carne é preparado com carne seca previamente demolhada, cozido em um lume brando e servido também com funge e feijão cozido com óleo de palma.

Formas de preparação de alguns pratos típicos em S. Tomé e Príncipe e os seus ingredientes.

Calúlú de peixe (à moda de S. Tomé)

IngredientesFolhas
500 grs de camarão descascado
1 dl de óleo de palma
1 kg de garoupa
5 quiabos
2 tomates maduros
2 beringelas
1 raminho de manjerona
sal a gosto
1 folha de louro
tempero
2 cebolas
maquêquê
fruta pão
farinha de mandioca
mosquito
malagueta
ossame
folha galo
folha de óca
folha pega lato
folha mamblemble
folha maquêquê
folha libo mucanbû
folha mussúa
folha thili branco
olho de margoso
folha zaia
folha matruço
folha pau três
folha quissobo
folha grão
folha de tartaruga
folha de libo de água
folha macumbi
folha figo porco
folha de goiaba
folha bujíbují
folha de ponto

Modo de preparação (Passos a seguir)

Depois de se ter todas as folhas devidamente lavadas, as mesmas serão picadas em pedacinhos e colocadas numa bacia com agua, e de seguida são postas dentro de uma panela com agua a ferver, adicionando quiabo, tomate, cebola, folhas de louro, ossame e a fruta pão cordado em pedaços.

Adiona-se também o óleo de palma, o maquêquê descascado no inicio da fervedura, depois de estar tudo cozido é retirado a fruta pão a fim de ser pisado e servirá para engrossar o calúlú.

Depois de engrossado, é adicionado a malagueta, o tempero, cebola, a casca de pau de pimenta previamente pisados em conjunto.

É colocado depois alguns ramos de folhas de mosquito, deixando-se ferver e de forma que os ingredientes cozam.

Todo o processo de confecção do calúlú demora no mínimo 2 horas

O calúlú pode ser servido com:

  • Angú de banana (são massas de banana prata moída)
  • Farinha mandioca
  • Arroz branco
  • Fuba (farinha de milho)

 

Prato Molho no Fogo

Ingredientes
peixe fumado
sal
maquêquê
quiabo
beringela
cebola
malagueta
tomate
azeite de palma
folha de louro
limão e folha de cuento

Modo de preparar (passos a seguir)

Depois de lavar o quiabo, o maquêquê e a beringela corte-as aos bocados e deita na panela.

Passando algum tempo após a fervedura retira o peixe da panela e junta o molho de peixe fumado mas o salmora com o tomate, a cebola, malagueta pisada, um pouco de limão, azeite de palma, algumas folhas de cuentro e de louro.

De seguida leva a panela ao lume por volta de 30 minutos, após estar tudo bem cozido, provamos o teor do sal e do limão, feito isso, por mais algum tempo o nosso molho feito e pronto a ser servido.

O molho no fogo pode ser servido com fruta-pão, banana assada, cozida (banana pão ou prata) ou até mesmo com arroz.

Nota: Para secar o peixe , quando não é possível adquirir fumado, colocam as postas num tabuleiro e vão ao forno brando até secar.

A importância Gastronómica Nacional e o Turismo 

Existe um grande interesse dos turistas pela gastronomia típica de um país diferente do seu, têm como objectivo conhecer a base das diferentes experiências gastronómicas, o convívio e sobretudo o degustar os sabores pelos diferentes pratos que vão conhecendo e tomando nota, neste sentido é sempre benéfico para o país de visita, uma vez que poderão confeccionar e apresentar os seus diferentes pratos  e sabores gastronómicos para os turistas conseguindo assim gerar alguma receita e impulsionar a economia local do país.

Interessa aos turistas apreciar a nossa comida, o que é importante para promoção do turismo uma vez que em S. Tomé e Príncipe temos uma grande abundância de ingredientes específicos que trás diferentes sabores a nossa mesa retirando assim a necessidade de os importar.

São Tomé e Príncipe a nível do turismo está pouco desenvolvimento, visto que não há uma grande promoção e divulgação da cultura, nem de outras coisas para o desenvolvimento do turismo, prova disso é que os turistas quando chegam ao país não saberá o que necessário quer ver, nem saberá se haverá guias turísticos para os acompanhar na sua visita.