A Escassez de Água Potável no Distrito de Lembá Ameaça a Saúde Pública em São Tomé e Príncipe.

A Escassez de Recurso Hídrico Ameaça a Saúde Pública em São Tomé e Príncipe
Tempo de Leituta: 2 minutos

Saúde Pública em São Tomé e Príncipe, Particularmente no Distrito de Lembá esta sendo ameaçada uma parte devido a falta de água potável, um problema já existe a vários anos nesta localidade.

Segundo os moradores do Bairro Rosema é necessário e urgente criar mecanismos que garantem a saúde pública e o bem estar da população, numa dada altura que existe mais de 90% das pessoas no Distrito que não tem acesso a Água potável ou água tratada.

Por outro lado a população do Bairro Bengá em geral afirmaram que a situação da água é um problema de longa data e que já deveria ser resolvido a tempo, mais os mesmos disseram não saber o que se passa na cabeça dos responsável ou dos dirigentes políticos do país.

Nós neste momento poderíamos ser uns dos maiores consumidores da água potável no país, digo isto porque, quando os engenheiros nos chamaram para nos perguntar qual seria a melhor fonte  para canalizarem água a população, indicamos a eles uma cascata acima da central da electrolítica da EMAE, onde eles fizeram estudos e detectaram que havia água em bom estado e em quantidade suficiente para toda a população do Distrito, mais na altura da implementação e a canalização deste recurso, eles fizeram a irrigação dentro do  rio contador e desta forma conduzindo a pior água a população“.

O Miguel de Araújo, diante do nosso microfone salientou que neste exacto momento, a população do Distrito de Lembá consume a pior água do país por várias razões, o uso execessivo de lixívia e a limpeza constante de impurezas na água devido a canalização feita no local improprio.

” Concretamente em São Tomé e Príncipe nós os pobre consumimos água tratada e não potável”, afirmou o Araújo.

Os dados sobre a disponibilidade da água em São Tomé e príncipe é de amplo conhecimento embora o país tenha sua superfície composta por 70% de água, a maior parte desse recurso (97% do total) é formada por marés, sendo assim imprópria para consumo humano.

Diante desses números e dos sucessivos efeitos da acção antrópica sobre o meio natural, a disponibilidade de água encontra-se cada vez mais imprópria em várias partes do país, o que faz com que áreas inteiras tenham de enfrentar escassez total ou parcial desse recurso natural necessário para a qualidade de vida das pessoas.

Por esse motivo, a grande questão seria tentar-mos perceber o que causa a escassez desse recurso hídrico em São Tomé e Príncipe de enorme qualidade, aumentando mais a chance de elevadas taxas de doenças relacionadas com fontes hídricas de consumo no país como o caso de diarreias nas crianças e a febre tifóide.